domingo, 27 de setembro de 2015

Mãe Selvagem


(Meus amados)

"ESSAS FOTOS NÃO PASSAM DE IMAGENS E REFLEXOS INEFICAZES E VAZIOS À VISTA DA SOMA DAS EXPERIÊNCIAS QUE VIVEMOS JUNTOS".

(Exupèry)




MÃE SELVAGEM
(Georgina Ramos)

Eu vi uma juriti, gemendo ao pé da estrada
Gemendo como alguém que sentia imensa dor
E logo dentro de mim sentir toda magoada
De minha alma, que Deus fez, para sentir o amor.

Mimosa juriti, refere, teu segredo
Ó mãe, quem te feriu, quem te faz chorar
Confia em mim, de mim não tenhas medo
Eu vim pra te consolar.

Se queres conhecer a causa do meu pranto
Contempla, aquele ninho ao pé daquela flor
Lá estavam meus filhotes, meus sublimes encantos
do sangue, do meu sangue, amor do meu amor.


Voei pelas florestas em busca dos meus filhos
Cansada, de gritar de dor enlouqueci
Meus olhos de chorar perderam todo o brilho
E hei, de morrer chorando, dos filhos que perdi.

Então, eu me afastei da triste mãe penada
Porque senti também meu coração chorar
A triste lá ficou gemendo ao pé da estrada
E eu, regressei à porta do meu lar.

A dor que faz sangrar o coração materno
Não há no mundo uma igual e um ser que desentranha
Como não há, no mundo o mais profundo eterno
De que, sagrado amor, de quem na terra é Mãe.

O que uma mãe gostaria de ganhar?
Uma casa?
Uma flor?
Um cartão?
Um abraço caloroso?
Um telefonema?

Coruja?
Liberal?
Super protetora?
Mãe é mãe!
Há muitos e muitos anos...
Com amor, é assim que elas nos tratam desde o início...
Rhea, mulher de Chonos e mãe de todos os deuses...
Cibele, outra mãe dos deuses...
Maria, Mãe de Deus...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ser Mãe é padecer no Paraíso... presente incomparável de Deus...

Customizado por Meri Pellens.