quarta-feira, 31 de julho de 2013

Aprendi das Infâncias



Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.


Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.

(Antônio Cícero)

Da minha infância:
Aprendi que não conta a dor somente mas sim a alegria de brincar de boneca e de tantas brincadeiras com as crianças da nossa família... 






 Da infância dos meus filhos:
Aprendi que os parques da vida, as festinhas infantis a cada ano e os brinquedos que lhes pude dar são muito mais importantes do que tantos cursos que terminam com a infância antecipada e abruptamente... 







Da infância dos meus netinhos:
Aprendi que contar historinhas, falar ao celular com eles (quando distantes), cantar musiquinhas nele se preciso for porque está fazendo manha com a mãe lá longe, fazer bolinho de chuva e pizza (eles sendo o pizzarolo) quando os visitar,  levar em todos os brinquedos do play, levar mil docinhos preferidos de cada um, deixar que eles usem o nosso cel  para aprender a fotografar e a usar o nosso not  para ver filminhos no yotube e tudo o que os fizer sorrir vale muito mais a pena do qualquer brinquedo caro que lhes possa dar...
































Com todas as infâncias que vivi, sendo a minha ou a dos filhos ou as dos netinhos, descobrindo estou que ela  nunca termina... tudo o que aprendi vai só se aperfeiçoando....  me fazendo nunca desistir de ver o lado  bom da vida... de sentir ainda o doce sabor do algodão colorido ou não...
Com Jesus, aprendi o que ele sempre, sabiamente, nos ensinou: Deixai vir a mim as criancinhas... Ele sabe bem o por quê...




De volta

Nem há, talvez, quem compreenda
A minha brusca emoção,
Ao ver a velha fazenda,
Que - toda a rir - se desvenda
No cimo azul do espigão...

E como aqui, nesta roça,
São todos amigos meus,
À porta de cada choça,
Toda gente se alvoroça
Par avir dizer-me adeus.

É o Zé Quincas! É o Zé Colaço!
O Juca Elias, "nhô João...
-Todos eles, quando eu passo,
Num longo, num rude abraço,
Me apertam no coração!

(Continua...)

(Paulo Setúbal)


Um comentário:

  1. Linda tua postagem,rica em fotos.Adorei! A BC não aconteceu mais, foi suspensa, mas valeu ! beijos,chica

    ResponderExcluir

Ser Mãe é padecer no Paraíso... presente incomparável de Deus...

Customizado por Meri Pellens.