terça-feira, 9 de abril de 2013

Música x nota


Mãe:
Eu sou uma nota sem música.
Filhos:
Eu sou  a nota da sua música.

História de uma pamonha

Era um ovinho dourado
Que um dia foi enterrado.

Na terra ele inchou, inchou,
E em dez dias rebentou.

Não pensem que ele morreu:
Sua casquinha rompeu,
Mas, em vez de um pintainho,
Surgiu um broto verdinho.

O broto tanto espichou
Que em planta se transformou,
Com folhas muito alongadas
E cortantes como espadas.

E tinha, para se aguentar,
Raiz no chão e no ar.

Depois que a chuva caiu,
Um pendão de flor se abriu,
E, um pouquinho mais abaixo,
Uma boneca de cacho...

Uma boneca engraçada,
Cabeludinho a e barbada.

Mas, assim que ela cresceu,
Chegou alguém e a colheu
Despiu toda a pobrezinha
E ralou-a na cozinha.

E o sangue dourado dela
Pôs, com água na panela
Mexeu com colher de pau
E transformou-a em mingau.

Pôs-lhe açúcar, temperou
E, no fogo, a cozinhou,
E, por fim, deu-lhe mortalha
No vestidinho de palha.

A boneca transformou-se
No mais delicioso doce
Mas agora tem vergonha
De ser chamada pamonha...
(Narbal Fontes)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ser Mãe é padecer no Paraíso... presente incomparável de Deus...

Customizado por Meri Pellens.