quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Mãe


Feliz dia das Mães!

Mãe,
É um fato: é uma realidade!
Na vida há tantas situações reversíveis. Mudanças de roupa, de casa, de emprego, de ideias.
Porém NÃO MUDAMOS DE FILHO.
Ele nasceu, segura-nos, possui-nos. Ele existe, e nada nem mesmo a sua morte, faria com que ele não tivesse existido.
Existirá, e tudo concorre, mesmo após a nossa morte para fazer dele o nosso herdeiro.
O filho ali está, é irreversível! E, depois de mim, depois dele, sempre à frente a velocidade do tempo... a ETERNIDADE.

Parabéns, Mãe.

Mãe,
Eu te amo!
Polyanna

O meu galinho

Pela manhã, bem cedinho,
Quando o céu vai clarear,
O meu garboso galinho,
Batendo asas contente,
Desfere um canto estridente
Que soa bem longe no ar:

qui quiri... qui!
qui quiri... qui!

Se um galo,  longe ou vizinho,
Também se põe a cantar,
De novo alçando o biquinho
Ele, contente, ligeiro,
Fica de pé no poleiro,
Para mais alto gritar:

qui quiri... qui!
qui quiri... qui!

Depois, como um pastorzinho,
A crista vermelha no ar,
Lá se vai o meu galinho,
Pela erva toda orvalhada,
Conduzindo a galinhada
Sempre garboso a cantar:

qui quiri... qui!
qui quiri... qui!

(Arnaldo Barreto)





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ser Mãe é padecer no Paraíso... presente incomparável de Deus...

Customizado por Meri Pellens.